segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O vingador e o perdão


A figura de um cavaleiro solitário surge no horizonte e vem até o primeiro plano. Está vestido de negro, seu rosto é duro e a sombra do chapéu cobre seus olhos. Existe tensão e misteriosa ameaça na sua presença e todos na platéia Intuímos que ele cavalga numa busca obsessiva de vingança.

Desde os tempos em que estrelava os faroestes produzidos na Itália, Clint Eastwood emprestou seu tipo alto, elegante e magro ao papel do vingador. Sob a direção de Don Siegel – seu mentor - e outros diretores menos talentosos, a série Dirty Harry enfatizou a vingança. Nos seus próprios filmes e na medida em que foi se tornando o mestre que hoje é, Eastwood soube explorar o forte sentimento da vingança que redime as injustiças.

Com Invictus, contando um episódio da história da África do Sul, quando Nelson Mandela imaginou que um evento esportivo poderia unir o país dividido pelo ódio racial, Eastwood troca o tema da vingança pelo do perdão. É um filme da maturidade de um cineasta que aprendeu como poucos a linguagem do cinema, como são produzidas as emoções e de que forma extrair dos atores sua própria humanidade.
Postar um comentário