segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Bastardos Inglórios


Depois de todos os filmes que já foram feitos sobre a Segunda Guerra Mundial, pareceria difícil explorá-la por um ângulo novo. Não foi só Hollywood que se apropriou de episódios, personagens e acontecimentos desse evento que mudou o mundo, mas práticamente todos os cinemas europeus, do francês ao russo, passando pelo italiano, o polonês, o alemão e todos os outros, praticamente exaurindo o assunto.

Quentin Tarantino, no entanto, decidiu que poderia criar algo inédito e fez Bastardos Inglórios, uma delirante versão da guerra, que tem boas interpretações de atores, destacando-se Christoph Waltz e Brad Pitt, cujos personagens disputam quem é mais cruel.

O cinema de Tarantino é interessante. Muitas vezes surpreendente quando utiliza a desbragada violência de uma forma que atinge as raias do humor e quase sempre procura mesmo fazer humor dentro de uma atmosfera sombria. Não é o caso de Bastardos Inglórios. Dessa vez ele parece ter se levado a sério e, num filme de produção muito bem cuidada, ultrapassou no final os limites da ficção. Apaixonou-se pelos seus personagens e reescreveu a história da Segunda Guerra.
Postar um comentário