quarta-feira, 19 de julho de 2017

Tempo


Tempos antigos, imaginados mortos, insistem na memória. Poeira de épocas passadas a insistir no presente, instantes redivivos que teimam em permanecer. A vida é apenas o decorrer de momentos imprevisíveis, dirigidos pelo acaso, ventos no redemoinho de pequenos acontecimentos.

Caminhar no poente levaria à noite, às madrugadas frias do constante inverno onde, disse Fitzgerald, na noite escura da alma são sempre três horas da manhã. Tempo em que geadas trazidas pelo vento se depositam na escuridão das sombras pesadas de lembranças abandonadas.


Levantar-se, andar à procura da rosa da montanha. A chuva se aproxima em fluxos repentinos, inunda as trilhas, traz cores intensas aos crepúsculos em tons de luzes encarnadas. Talvez sejam auroras já perdidas. Lembram a intensidade dos rios no interior de terras imaginárias. Mesmo na memória das crianças o tempo insiste em confundir a calma de manhãs vividas.

terça-feira, 4 de julho de 2017

O enigma


Doka dizia que a humanidade ama a mentira e odeia o Bem, mas acredita que está sempre na busca da verdade e a fugir do Mal. Difundiu a falsa crença de que o Bem sempre vence aliado à virtude, à solidariedade entre os homens e à presença de Deus. A História, no entanto, comprova a  prevalência do Mal, da guerra, do genocídio, de toda sorte de crimes, da corrupção e da violência. E Deus não existe.

Ele também não acreditava no amor, pois entendia ser um sentimento em que seres egoístas se refugiam, solitários e tristes e confusos, acreditando na força sublimada das emoções para evitar a loucura e adiar a tragédia da morte. Mas a morte, ao fim, conquista a vitória para compensar a ilusão da vida.


Doka um dia sumiu e nem mesmo sua família jamais soube para onde fora ou se recolhera. Nós, os seus amigos, continuamos a conviver com o mistério do seu desaparecimento. De vez em quando alguém aparecia na mesa do bar com a falsa notícia de que ele tinha sido visto em algum lugar. Mas Doka levou consigo o enigma que passou a representar. Pelo tempo passado até hoje, talvez já tenha morrido em algum lugar, talvez não. Um sábio, ou apenas um ilusionista ou farsante, penso que na verdade ele representou a má consciência da minha própria juventude.