quarta-feira, 19 de julho de 2017

Tempo


Tempos antigos, imaginados mortos, insistem na memória. Poeira de épocas passadas a insistir no presente, instantes redivivos que teimam em permanecer. A vida é apenas o decorrer de momentos imprevisíveis, dirigidos pelo acaso, ventos no redemoinho de pequenos acontecimentos.

Caminhar no poente levaria à noite, às madrugadas frias do constante inverno onde, disse Fitzgerald, na noite escura da alma são sempre três horas da manhã. Tempo em que geadas trazidas pelo vento se depositam na escuridão das sombras pesadas de lembranças abandonadas.


Levantar-se, andar à procura da rosa da montanha. A chuva se aproxima em fluxos repentinos, inunda as trilhas, traz cores intensas aos crepúsculos em tons de luzes encarnadas. Talvez sejam auroras já perdidas. Lembram a intensidade dos rios no interior de terras imaginárias. Mesmo na memória das crianças o tempo insiste em confundir a calma de manhãs vividas.
Postar um comentário