terça-feira, 4 de julho de 2017

O enigma


Doka dizia que a humanidade ama a mentira e odeia o Bem, mas acredita que está sempre na busca da verdade e a fugir do Mal. Difundiu a falsa crença de que o Bem sempre vence aliado à virtude, à solidariedade entre os homens e à presença de Deus. A História, no entanto, comprova a  prevalência do Mal, da guerra, do genocídio, de toda sorte de crimes, da corrupção e da violência. E Deus não existe.

Ele também não acreditava no amor, pois entendia ser um sentimento em que seres egoístas se refugiam, solitários e tristes e confusos, acreditando na força sublimada das emoções para evitar a loucura e adiar a tragédia da morte. Mas a morte, ao fim, conquista a vitória para compensar a ilusão da vida.


Doka um dia sumiu e nem mesmo sua família jamais soube para onde fora ou se recolhera. Nós, os seus amigos, continuamos a conviver com o mistério do seu desaparecimento. De vez em quando alguém aparecia na mesa do bar com a falsa notícia de que ele tinha sido visto em algum lugar. Mas Doka levou consigo o enigma que passou a representar. Pelo tempo passado até hoje, talvez já tenha morrido em algum lugar, talvez não. Um sábio, ou apenas um ilusionista ou farsante, penso que na verdade ele representou a má consciência da minha própria juventude.
Postar um comentário