sábado, 29 de julho de 2017

Sombras


A passagem do tempo lega a quem sobrevive a vivência da solidão. A morte dos contemporâneos deixa-nos cada vez mais sozinhos. Olhar a vida na procura de decifrá-la nos coloca diante do maior dos enigmas. Se não conseguíamos compreendê-lo quando tínhamos vinte anos, com o passar do tempo adensam-se as trevas que confundem a percepção.

O passado transforma-se no morto que é preciso enterrar para ter vida. O peso das lembranças mistura-se à incompreensão do mistério e o homem se vê diante das paisagens incendiadas no fogo da memória. A cada dia transformam-se em cantos cobertos de cinzas na planície de um território estranho, desconhecido.


Mergulha na infância, velho. Lá não existirão lembranças e as vagas sombras se locomovem como nuvens que vão trazer as chuvas de inverno. Sons de palavras misturam-se à música do vento e ao sussurrar das folhas em canaviais. Um dia o verde imenso se transformará em revelações e virá quem sabe o entendimento do que hoje é mistério, apenas.
Postar um comentário