domingo, 29 de setembro de 2013

O adeus


Mesmo  com a presença de alguém para lhe dar comida e remédios, nossa ausência deve tê-la deprimido e apressado sua morte. Teve alguma sobrevida após a cirurgia mas a metástase não deixava esperanças. Também não resistiria à violência da quimioterapia. Suportou a doença com a coragem e a elegância dos felinos. Perdeu muito peso, comia muito pouco. Ontem, ela escondeu-se para morrer. A notícia veio pelo telefone, chovia muito neste país estrangeiro.
Postar um comentário