domingo, 1 de setembro de 2013

Copos vazios

Os velhos acordam cedo e os jovens têm muita sede, é o que me ocorre ao lembrar-me de uma das últimas vezes em que vi meu pai. Quando eu estava vivendo sozinho, ele dormiu hospedado no apartamento em que eu morava. Durante a noite, alguns amigos e eu bebemos, pelo prazer de aproveitar o pretexto de um aniversário.


O velho acordou muito cedo e viajou em seguida, mas deixou um bilhete em que agradecia a hospedagem e atestava sua admiração pelos copos vazios que se espalhavam pela sala. Disse no bilhete que nunca vira copos tão vazios como aqueles, pois sempre observara um resto de bebida, algumas gotas que fossem no fundo dos copos ao fim de alguma festa. Naqueles, testemunhava, nada havia sobrado. Nunca vira copos tão sofregamente vazios.

Um comentário:

Carlindo Costa disse...

Me fez pensar nos copos que bebi...