quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

O metrô


Quem usa o metrô do Rio está reclamando. Aumentou o número das estações, expandiram a rede, foi criado um novo trajeto de Botafogo à Pavuna e se manteve o mesmo número de trens. Diminuiram os vagões em cada composição. O resultado deve ter sido o esperado: atrasos e superlotação. É difícil entender o que se passa na cabeça dos engenheiros. Ou dos homens de governo.

É provável que as autoridades tenham sentido a necessidade da realização de grandes obras e expandiram o sistema sem calcular os riscos. É também possível que tenham imaginado que, com o aumento do preço da passagem, a procura iria diminuir.

O povo do Rio tinha um certo orgulho do metrô da cidade e os viajados diziam que ele era melhor do que o de Londres, de Nova Iorque ou de Paris. Era mais limpo, tinha ar-condicionado, melhor organização e não atrasava. Algo aconteceu e a maldição dos transportes caiu sobre o metrô.
Postar um comentário