sábado, 21 de março de 2015

Paris

Neste fim do inverno europeu, a primavera se anuncia na cidade de Paris com uma névoa que cobre o rio Sena, envolve os monumentos e aumenta a sensação de frio. Os turistas fotografam a bela cidade envolta nessa atmosfera cinza e poucos se dedicam a imaginar a origem dessa paisagem de sombras sobre o rio e as ruas tão cheias de história.

É uma nuvem de poluição. A sujeira da atmosfera que provoca doenças respiratórias,  penetra olhos e narizes e irrita a garganta dos que vivem ou visitam esta cidade. As autoridades refletem e prometem medidas que vão do controle dos automóveis, incentivos a carros elétricos, andar de bicicleta e tornar gratuito o transporte público.


As grandes cidades estão cada vez mais parecidas. Tornam-se lugares onde viver é perigoso e as ameaças cercam os habitantes. Desde o ar sombrio e sujo e a violência provocada pelas desigualdades sociais ao complicado exercício de se locomover no trânsito congestionado e agressivo. A cidade foi uma solução encontrada para aumentar a produção e o consumo da humanidade, na ilusão de que este seria o destino dos homens. Mas estamos assistindo ao enterro das metrópoles.
Postar um comentário