sábado, 5 de julho de 2014

A arte

Em momento de forte depressão, tangido por tristeza intensa, o músico desabafou: como é bom saber tocar um instrumento. E assim resumiu o que tem sido um dos papéis desempenhados pela arte, o de purgar as emoções. Um amigo escritor me dizia que a arte pode ser de alegria, mas supera-se quando reflete os negros porões da vida.

A morte na alma é sublimada na expressão da arte, queria dizer o músico que, embora mergulhado na tristeza, confiava no poder da música que ele próprio sabia tocar. Apenas com seu instrumento, poderia libertar-se dos abismos que o ameaçavam.


O caos imenso das emoções pode melhorar a qualidade da arte praticada pelo artista. Mas não é arte em si mesmo. Pode ser matéria prima, algo que, sob controle do artista, venha a se transformar na percepção única de um momento de beleza sublime ou danação desesperada.
Postar um comentário