domingo, 1 de junho de 2014

O não, o sim


A palavra não diante do sim multiplicado
acovarda-se no escuro, exaure seu sentido,
dirige-se ao fundo de um abismo
onde insetos se aproximam da alma dos vencidos.
Idas e voltas sob o sol do meio-dia
e a noite plena conspurca a palidez
de uma dor só na madrugada fria.

Separam-se as luzes, opacidade das águas,
elas negras de ventos e a vontade
de dizer algo mais que inquietude.
Noites como dias de tez enegrecida
e o pensamento de outrora - palavra sem sentido
na fala de um velho emudecido,

pássaro cansado de lirismo.
Postar um comentário