sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

O peru de Natal

Hernán Cortez descobriu o peru nos mercados astecas, durante a impiedosa conquista do México. Levou-o para a Europa, onde substituiu o ganso que era servido à época nos grandes jantares de comemoração. Mas foi a partir da ceia do Dia de Ação de Graças, nos Estados Unidos, que a imponente ave passou a fazer parte do Natal de vários países, entre eles o nosso.

Na origem do hábito de comer peru na ceia de Natal encontra-se o ritual do sacrifício de vidas aos deuses das religiões. A mesa farta do dia 24 de dezembro compensaria também as dificuldades vividas durante o ano.
O sacrifício do peru obedece também a uma espécie de rito. No Brasil, a tradição do interior mandava começar com o ato de lhe dar um gole de cachaça. Poderia, assim, morrer descontraído e mais ou menos feliz, capaz de oferecer uma carne mais tenra.


Doka, meu velho amigo, recebeu da mãe a tarefa de sacrificar o peru na véspera do Natal. Foi para os fundos da casa, armado de uma faca amolada, deu ao peru um gole de cachaça, tomou outro e repetiu o gesto mais algumas vezes. Apareceu depois com o peru ainda vivo nos braços. Informou à mãe e a todos que estavam na sala que aquele ali era seu amigo, bebia em silêncio, bem comportado e não lhe atanazava o juizo. Não merecia morrer.
Postar um comentário