quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O cão amarelo

Acontece sempre às primeiras horas da manhã, quando as ruas se tranquilizam depois da noite agitada do bairro. Um silêncio feito de pequenos ruídos de uma cidade despertando, os botequins lavam suas calçadas e os andarilhos e corredores passam na direção da praia. O sol é ameno, nestes primeiros dias do horário de verão. É quando ele se espreguiça e se levanta, o cão amarelo que dorme ao lado do mendigo embaixo da marquise da loja de colchões.

Silencioso, quase solene, ele atravessa a rua na direção da praça do metrô e segue adiante. Mas antes aguarda o sinal verde da esquina, imóvel e digno. Creio que vai em busca da sobrevivência, depois de dividir a noite com o homem que ficou deitado no leito de cartolina e ainda vai demorar um pouco mais para ele próprio se levantar.


Eles têm este acordo, o homem e o cão amarelo. Dormem juntos numa mútua proteção contra as ameaças da noite para quem vive no perigo das ruas. E pela manhã separam-se, vão em busca de suas vidas, para voltarem a se encontrar mais tarde, depois que as lojas se fecham e é tempo de se prepararem para dormir. Há um curioso entendimento entre eles. Uma aceitação das coisas do mundo e das necessidades mútuas, numa linguagem que vai alem da compreensão.
Postar um comentário