quarta-feira, 27 de maio de 2015

Encontro

Perto do meio-dia, encontro Marquinhos, o maluco da vizinhança, no botequim onde costumam lhe dar um pão e um copo de café. Com sua voz confusa me diz que estava vindo do enterro de um amigo. De longe, disse, tinha visto quando haviam jogado terra sobre o caixão do amigo.

Ele estava agitado, Marquinhos. Engasgava com o café, tossia. O rosto se tornava vermelho e os olhos se esbugalhavam. Disse que o amigo era diabético – tive muita dificuldade de entender esta palavra – mas não havia morrido disso. E apontou para o copo onde eu bebia, como a dizer que tinha sido aquela a causa da morte do amigo.


Enquanto apontava para meu copo, olhava diretamente em meus olhos, como a me provocar uma reflexão sobre o que eu fazia. Deu um prolongado gole no café quente, engasgou novamente, tossiu, cuspiu, me olhou fundo e foi embora andando rápido pela calçada, assustando os transeuntes que não o conhecem com a sua figura feia, estranha, mal vestida, e que nos faz pensar um pouco em nossa própria loucura.
Postar um comentário