terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Retorno

Os sons se multiplicam
nos ecos de antigamente.
No quarto e em silêncio,
um homem procura
entender o fim das coisas.


Resquícios.
Tema de selvagens
mutações que o tempo evoca
e bebe o espanto,
afogado nas areias de um deserto:
sementes, folhas, galhos,
plantações de formigas devoradas.


Paredes de cupim, teias, o odor
da urina de homens e animais,
as sombras que habitam este lugar.


Postar um comentário