sábado, 9 de julho de 2016

O parto



Existe a angústia de que são vítimas os escritores e também, em maior ou menor grau, todos os que exercem uma atividade criativa. Vem com a ansiedade após o fim de um trabalho, sensação por muitos comparada a um parto, um sentimento de vazio depois de um grande esforço a que se junta o medo de nunca mais ser capaz de escrever alguma coisa que valha a pena. A vida perderia o seu sentido.

Talvez seja por isso que os escritores costumam beber tanto. A impressão da impotência da infertilidade conduz à desorientação. Norman Mailer dizia que quando não escrevia embriagava-se diariamente e é dele a afirmação de que ficar muito bêbado era uma forma de se matar, com a vantagem de que você morre mas acorda vivo no dia seguinte.

Os biógrafos de Ernest Hemingway dizem que era assim que ele se sentia depois de terminar cada livro. A obra prima “O Velho e o Mar” começou a ser escrita durante uma dessas crises. Com a luta solitária de um velho contra um monstro do mar profundo, ele quis provar a si mesmo que não seria derrotado pela agonia. Há quem acredite que seu suicídio, em 1961, foi diante da desesperada convicção de que não seria capaz de voltar a escrever.
Postar um comentário