sábado, 16 de julho de 2016

A fera



A fera humana ocupa o vértice do poder entre os seres vivos. Dominou todos os outros, organizou-se em tribos, cidades e países, garantiu a sobrevivência da sua espécie. É a única que mata por prazer e encontra-se em conflito permanente consigo mesma. O homem é o único animal que ama e é capaz de assassinar a quem ama. Por ciúme ou porque num átimo é capaz de transformar em ódio o amor que se dizia imortal.

Assassino em massa, genocida, capaz de torturar outro homem e conceber o horror, inventou Deus acreditando que bondade e onipotência eram a sua própria semelhança. Desesperado, acossado por medos imaginários, foi capaz de desenvolver a ciência e a filosofia para tentar entender a angústia que o persegue. Consciente de viver num planeta isolado do universo, olha para o céu à procura de sinais de vida no cosmos. Não consegue se libertar de seus fantasmas.

Mergulhado na escuridão da própria alma, olha em volta e enxerga ameaças no mundo, no próximo, na natureza e no caos. De todas as suas criações, tem orgulho das máquinas de guerra. Cultua a obsessão de matar, de comer animais mortos e escravizar outros bichos. Procura em vão e desesperadamente a beleza da paisagem e quem sabe sequer da poesia na terra de ninguém.


Postar um comentário