quinta-feira, 16 de junho de 2016

A pátria




A pátria é um país injusto. O amor à pátria é um sentimento difuso que mistura os antepassados, a família, o círculo onde se vive. E a língua que falamos. A linguagem é a profunda relação de amor com o que nos cerca, o ambiente, o pensamento e a reflexão sobre o mundo. O ódio não tem linguagem, sua expressão é apenas ele mesmo, o ódio.

A mãe Pátria, generosa para alguns e madrasta para tantos? Os miseráveis de um país são filhos da pátria? Os muito ricos, proprietários de tudo, são eles os únicos representantes da pátria? “A minha pátria é como se não fosse”, escreveu Vinícius, que no exílio chorava de saudades da sua pátria.

Para Soljenítsin, sua pátria era a língua em que escrevia. Longe, não conseguia escrever e preferiu se submeter à perseguição do governo do que ficar, aparentemente livre, distante da Russia. Sem poder usar na rua a sua língua, que era a sua pátria. São tantos os significados da pátria que ela pode se perder no desespero de seus próprios órfãos.
Postar um comentário