sexta-feira, 23 de maio de 2014

A música

Os sons, mais do que os perfumes, despertam em nós a memória do passado. Napoleão Bonaparte dizia que não diferenciava a música de outro barulho qualquer, mas ela nos conduz no roteiro da imaginação. O funcionamento das emoções, que desafia as funções químicas do cérebro, nunca foi traduzido pela ciência mas há na música uma transcendência de sentidos que se encontra alem do entendimento e da lógica.

Os sons organizados da música são capazes de nos guiar até um nível próximo da consciência, com o poder de redimir sentimentos. Arrependimentos tardios, perdas ou celebrações, abismos, glória e alegria são transformados na abstração de uma forte linguagem através de cordas, sopros, toques, reverberações.


Sons que nos conduzem à consciência e ao entendimento dos desvãos da alma, do reencontro com algo que foi perdido em algum lugar, em algum momento que não imaginamos onde nem sabemos quando.
Postar um comentário