quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

A palavra impossível


Drummond, um homem calmo, introspectivo e tristonho, teve intuição de como funcionava a máquina do mundo enquanto caminhava pelas estradas ermas e solitárias de Minas. Algo que não compreendemos e nos acompanha, conduz nossos sentimentos e ações, dirige o que fazemos mas não nos induz a evitar o que não fazer.

O conflito e a miséria dos acontecimentos do mundo são algo que procuramos compreender mas deles só escutamos um eco distante sempre renovado.

Outro poeta, Bilac, tão injustiçado pelo modernismo, deixou enunciadas umas poucas perguntas que as palavras são incapazes de responder: e a ira muda? E o desespero mudo? E as palavras de amor que morrem na garganta?
Postar um comentário