segunda-feira, 25 de abril de 2016

Letargia



O sono se mistura a um desejo de nada. O mundo, paralisado, está sem lembranças e sem paisagem, sequer o movimento do vento na folhagem se mostra capaz de definir o instante. Os ruídos se manifestam distantes, ecos sem repetição, manifestações que o sono absorve e transfere para dimensões imaginárias.

Mergulho nas águas rasas da memória. Imensidão de oceanos primitivos em que  peixes se movimentam lentos, sem destino, vagas imagens que se perdem em horizontes sem cor. Mas as cores insistem, no princípio pálidas, incapazes de tingir o pensamento. Depois, quase se expandem para subitamente regressarem  ao desconhecido. O mundo torna a exibir de novo matizes ausentes de vermelho, de verde e de azul.

Uma vez mais o desfilar de sentimentos em que se vislumbram voos de pássaros noturnos. Memórias sem importância se insinuam para uma vez mais se perderem no esquecimento. Uma vivência despida de sabor, sub-reptícia, inútil, incapaz de despertar o desejo de descobrir o movimento ensaiado pela vida, ela própria.
Postar um comentário