quinta-feira, 24 de março de 2016

os rostos





as faces na multidão se dissolvem
são emoções intangíveis

os corpos se misturam
as calçadas exalam passos e odores
e ruídos e calor
tudo perpassa a escuridão dos tempos

as crianças olham
com olhos de ódio neles não se vêem
olhos de meninos

insones criaturas no final de um dia
de véspera em que a morte
espreita uma vez mais os inocentes
Postar um comentário