sexta-feira, 4 de março de 2016

Fugas



Desde a antiguidade o homem aprendeu a fermentar e depois a destilar frutos e plantas para alterar o modo de ver o mundo. A bebida como fonte de embriaguez e fuga. As sociedades primitivas descobriram um modo de acelerar a fermentação mastigando os frutos e depois plantaram a vinha, que marcou um estágio mais avançado na civilização.

A bebida destilada significou o domínio da tecnologia que veio com a industrialização e o resultado foi a descoberta de um produto mais concentrado do que o vinho ou a cerveja, mais forte, com maior quantidade de álcool, de efeito mais rápido sobre os sentidos. Depois vieram as drogas e sua economia clandestina dirigindo o crime, a violência e a morte.

O homem, estranho animal condenado à consciência, descobriu que havia uma maneira de mudar a percepção da realidade. E de fazê-la parecer melhor, ao mesmo tempo em que encarava as tragédias em volta da sua vida. Entre elas a do seu próprio destino.
Postar um comentário