segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Holocaustos



Quatro milhões de africanos foram trazidos para o Brasil como escravos. Seus donos tinham o direito de matá-los, se assim o quisessem. Muitos o fizeram. Em Canudos, vinte mil sertanejos foram massacrados pelas tropas federais. O genocídio praticado pelos turcos contra os armênios deixou mais de um milhão de mortos. Os belgas mataram dez milhões de pessoas durante a ocupação do Congo.

A história do mundo é uma sucessão de crimes praticados pelo homem contra o homem. Não é preciso falar em combates de guerra para medir o grau de violência na natureza da humanidade. A vida diária expõe o desejo de matar, o homicídio é mais ameaçador do que as doenças como causa de morte entre os animais racionais.


Da sucessão de genocídios, alguns foram esquecidos. Ficou forte na memória histórica o holocausto judeu, noticiado e analisado em todas as suas formas de violência brutal. Foi também a prova final da falência da humanidade. Escrita na parede em um campo de concentração, encontrou-se uma frase que ficará gravada na má consciência do nosso tempo: “se existe um Deus, ele terá de implorar pelo meu perdão”.
Postar um comentário