quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Paralelas


Crianças imaginativas costumam pensar que em algum lugar do universo haverá um duplo. Alguém igual a elas, que pensa e age como elas de idêntica maneira. O mito de uma vida paralela encontra-se também na busca da ciência por um planeta igual ao nosso, com a mesma atmosfera onde a vida floresceria tal qual a conhecemos.

Haveria uma outra existência ao lado da vida que vivemos. Nesta aparente percepção estaria a origem da arte, da religião, da criatividade e da loucura. E também da mentira, que é algo que não existe mas que passa a existir numa narrativa da imaginação. Somos porque pensamos, logo podemos duvidar da realidade. O real pode não existir, somos apenas o sonho dentro de um sonho.


Nossa existência seria, portanto, o produto do sonho de uma entidade adormecida em algum lugar perdido no cosmos. Somos, quem sabe, apenas o sonho de Deus ou um pesadelo no qual íncubos e súcubos atravessam nosso caminho, olham para dentro dos nossos olhos e nos impedem de enxergar a vida, nossa vida, a própria realidade e o mundo que talvez sequer exista na forma em que o vemos.
Postar um comentário