segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Um velho e sua planta

Num pequeno apartamento do prédio em frente, mora um velho. Vive sozinho, como tantos velhos em Copacabana. Sai pouco de casa e às vezes cruzo com ele na rua carregando uma sacola de supermercado. Acho que é seu único motivo de caminhar pelas difíceis calçadas do bairro.

Prefere ficar em seu pequeno espaço dotado de uma varanda que é também muito pequena. Com ele vive uma planta exuberante de pequenas folhas verdes que brilham no bater do sol. De onde estou não consigo identifica-la. Talvez seja uma pitangueira, árvore que cresce e se dá bem nas proximidades do mar. Ela está num vaso de barro que ocupa metade da varanda. Todas as manhãs o velho cuida da planta, dá-lhe água, verifica as folhas e retira as que estão secas. Olha para ela, contemplativo, grande parte do dia.


Na noite do Ano Novo, quando a loucura toma conta do bairro, o velho estava de pé, pois não adiantaria tentar dormir diante da proximidade dos fogos da meia-noite. O calor era intenso, na temperatura em que estamos vivendo por esses dias. Na varanda, o velho sorria distraidamente e parecia dizer alguma coisa enquanto aspergia água nas folhas da sua planta, que de longe parece uma pitangueira.
Postar um comentário