segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Amar uma cidade





Uma cidade tem alma e uma forma que a tornam diferente de todas as outras. Visitar uma cidade é como conhecer alguém de quem vamos nos tornar amigos ou quem sabe vê-la de maneira indiferente. É possível até vir a amá-la, como se amam os seres e as coisas que nos provocam deslumbramento. Mas é preciso desvendar o que nela existe e que não se revela ao primeiro olhar. Uma cidade é feita dos seus mais trágicos, marcantes acontecimentos, das suas crenças e da história de quem nela habita.

Não existem paraísos urbanos, pois os conflitos povoam os lugares onde as pessoas se juntam para viver. A paisagem escolhida, as águas dos mares ou dos rios que passam definem o olhar de quem os contempla. E de quem neles vive. As cidades oceânicas são abertas aos estrangeiros, as de ribeiras precisam ser decifradas. E nem sempre se revelam plenamente.

Podemos levar toda uma vida numa cidade e nunca ser capaz de entende-la. Mas existem algumas que absorvem e conquistam a quem lhes dedicar atenção, curiosidade e fascínio. Sua alma transcende os edifícios e as praças, ilumina as águas, reflete mesmo o olhar curioso de uma criança que parecia ter-se perdido no passado, na bruma e no esquecimento. Uma cidade é um coração, um punho, como disse o poeta.


Postar um comentário