sábado, 27 de abril de 2013

A perda da paixão


Ouço o Concerto nº2 para trompa e orquestra de Mozart e me lembro de uma mulher que amei. Desde adolescente eu amava Mozart e as mulheres. Mas esta de quem falo dizia gostar dos clássicos embora odiasse Mozart. Dizia ser incapaz de ouvir este concerto para trompa e orquestra sem perder o bom-humor.

Nosso romance durou alguns anos e, no início, foi bom porque juventude e paixão se acasalam pela surpresa do amor. Depois comecei a sentir saudades de Mozart, a quem tinha abandonado e ouvia escondido, pois os fones de ouvido, naquela época, não eram tão bons. Talvez sequer existissem. E comecei também a pensar como alguém podia detestar Mozart e, especialmente, aquele concerto.

Amor e sofrimento caminham de mãos dadas e duas emoções contraditórias não podem conviver. Em nome do amor, eu tinha esquecido Mozart. Não existe dor maior, no entanto, do que a descoberta de que não existia amor onde pensavamos existir.

Ouço agora os concertos para trompa e orquestra e penso que Mozart talvez tenha compensado a perda daquela paixão.
Postar um comentário