quarta-feira, 20 de março de 2013

Brumas


Há uma dimensão da vida em que o real se entrelaça com o sonho e o imaginário se transforma no terreno dos mitos. Seria o que Poe imaginou como um sonho dentro de um sonho, uma região em que vida, vivência e morte, numa aparente realidade, não passariam de um delírio da loucura humana.

Os loucos, como é o caso do Marquinhos, o maluco da vizinhança, vivem sua experiência na perspectiva da sua própria percepção das coisas. Suas tentativas de organizar o trânsito, corrigir o comportamento dos outros, sua indignação diante do que lhe parece fora do lugar, tudo isso reflete o desejo de participar e viver num mundo diferente e, portanto, melhor.

São os loucos, como também acontece com alguns bêbados e outros tipos de alucinados, que chegam a perceber os reflexos de algo diferente e distinto, um território onde não existem certezas. Trata-se de um campo de névoas, brumas, sensações transmitidas por um rápido raio de sol sobre uma praia estranha.
Postar um comentário