domingo, 27 de janeiro de 2013

Surtado



Depois de algum tempo em que desfilou de terno branco e gravata, compenetrado e pensativo, Marquinhos surtou. Estava ontem na esquina de Barata Ribeiro com República do Peru. Sujo, barba a fazer, olhos esbugalhados, fones nos ouvidos escutando o rádio mudo que carrega nas mãos.

Tentava organizar o trânsito confuso de Copacabana. Em sua linguagem confusa, xingava motoristas e quem atravessava a rua. Bem de perto do rosto delas, jogou com as duas mãos, ocupadas com o rádio, beijos para as moças fantasiadas que se dirigiam para algum bloco desses que desfilam por toda esta semana. Elas correram assustadas. Quem o conhece do bairro, ria. Os outros mudavam de calçada; alguns, como as duas moças, corriam amedrontados.

Fiz a foto, fui ao bar, pensei como é dificil separar a lucidez da loucura e como uma se confunde com a outra. Marquinhos, louco, expressava seu desejo de ordem para melhorar a vida de todos. Expressava também sua ternura atirando beijos a pessoas desconhecidas e todos procuravam evitá-lo.
Postar um comentário