terça-feira, 30 de novembro de 2010

Monicelli


Mario Monicelli é um dos maiores autores do cinema italiano em sua melhor época. Deixa obras-primas do quilate de Os Companheiros, O Incrivel Exército Brancaleone e suas sequências, Meus Caros Amigos, Parente é Serpente, Os Eternos Desconhecidos. Dirigiu 68 filmes e escreveu 106. Todos merecedores de qualquer cinemateca.

Com a morte dos seus grandes diretores – Fellini, Visconti, Bolognini, De Sica, Pasolini e, agora, Monicelli – o cinema italiano fica órfão, práticamente moribundo, incapaz de competir com a produção de outros países da Europa e, principalmente, com a enxurrada americana.

Nesta segunda-feira, 29 de novembro, o Mestre levantou-se da cama do quarto do Hospital San Juan, em Roma, dirigiu-se à janela e atirou-se do quinto andar. Tinha 95 anos. Não teve paciência de esperar que o câncer o vencesse e resolveu ele próprio encerrar o assunto.

5 comentários:

Ismael disse...

Faltou um outro grande nessa sua lista, Celso: Roberto Rossellini (Roma, cidade aberta, Paisà, Alemanha, ano zero). Para mim ele é especial, pois um de seus filmes, Il generale della Rovere, mudou minha vida, me fazendo descobrir o neo-realismo italiano e um cinema diferente daqueles filmes de aventuras americanos e comédias que eu estava habituado a assistir.

Celso Japiassu disse...

E' verdade Ismael. Cometi uma injustica esquecendo Rosselini. E o Generali Della Roveri e' outra grande obra-prima do cinema italiano

Roberto Nhuch disse...

Eu tambem sempre gostei muito do Rossellini e desses filmes que o Ismael citou. Porem, o Dino De Laurentiis disse que o sucesso do neo-realismo (assim como a criacao de tal expressao) foi ironia do destino. O que o Rossellini e cia. queriam era filmar em estudio mesmo. Mas como os estudios estavam todos destruidos, tiveram a contra-vontade de filmar no meio das ruinas das ruas mesmo.

Estou abismado da maneira do Monicelli ter se matado. Nao poderiam ter dado uma dose de morfina nele?

Quanto ao cinema italiano, muito raramente que aparece alguma coisa da Italia para se ver. Mais raro ainda e' aparecer alguma coisa que preste. O ultimo filme italiano que eu vi acho que foi "Gomorrah", que na verdade e' um filme mais napolitano do que italiano. A maior parte dos diretores que o Celso mencionou vieram do norte.

Apesar de tudo, nao sei se "Gomorrah" causou assim tanto impacto. Eu nao gostei muito quando eu vi, mas tenho quase certeza que e' o tipo de filme que se aprecia mais numa releitura.

Bill Falcão disse...

Monicelli merece mesmo receber homenagens. Espero que outros cinéfilos se lembrem disso.
Na relação dos grandes do cinema italiano, eu incluiria também, além dos já citados por você e pelos leitores, Michelangelo Antonioni, que muitos consideram "entediante", mas fez filmes maravilhosos, a meu ver, como "Blow Up", "O Grito", "O Passageiro", "A Aventura", "A Noite", "Eclipse" e "Zabriskie Point".
E também Dino Risi, que bastava ter feito "Aquele que sabe viver" ("Il Sorpasso"), em 1962, para ser incluído entre os grandes do cinema em todos os tempos.
Abraços!

Roberto Nhuch disse...

Tambem nao podemos nos esquecer da Lina Wertmuller, que veio um pouco depois. "Travolti da un insolito destino nell'azzurro mare d'agosto" e' um dos meus filmes preferidos de todos os tempos. Alias, a Madonna refilmou esta obra-prima e evidentemente foi o maior fracasso.