segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Meditação


A mística do Oriente dá importância ao hábito de se dedicar algum tempo à meditação. O homem, animal social, desenvolveu a necessidade do permanente contato com seus semelhantes e aprendeu a depender dos outros. Desde a antiguidade existe o enunciado latino “ubi homine, ibi societas”, ou seja, onde existir o homem existirá a sociedade. 

Meditar é uma forma de se apartar e mergulhar no mundo paralelo das próprias intuições, calar-se, dedicar-se aos pensamentos e avaliar a dimensão da própria intimidade. Quanto mais profundamente nos vemos, menos há necessidade das fantasias que elaboramos para enfrentar a realidade. Passo a passo, podemos avançar, pisar leve, aproximar-nos da essência das coisas do mundo.


Ao ficarmos sozinhos, às vezes estamos em má companhia. Pois é quando a verdade aparece como um fantasma noturno. Aceitar e compreender o que a meditação traz à superfície é o caminho da sabedoria, dizem os filósofos orientais. Para isso, há que vencer as barreiras construídas pelas defesas interiores. Nem todos conseguem suportar o que se vê no espelho profundo da alma.
Postar um comentário