domingo, 13 de maio de 2012

Um companheiro distante


Já não sabia dele há algum tempo, tive notícia da sua atividade profissional longe do circuito São Paulo-Rio. Duvidei do seu nível de felicidade. Pensei que talvez fosse difícil para uma estrela, acostumada aos grandes palcos, conformar-se em atuar num time  regional.
Quando se aceita a crença de aplaudir o sucesso a qualquer custo e que não reconhece o direito ao fracasso, é impossível conviver com as limitações humanas e as regras de um sistema impiedoso. Neste outono, ele  fez check-in num hotel francês de Joinville e deu um tiro na boca.
Postar um comentário