quarta-feira, 15 de março de 2017

Um nome



Quase não falo. Trago presos
o peso das palavras e a mudez
diante do que é transitório.

A vida vale pelos precipícios,
pela morte, por seus labirintos,
pelos seus formatos perecíveis.

Dor é a dor dos oprimidos
e não a dor dos corações partidos
e não a dor do soco do inimigo.

É mais a dor do fundo das feridas,
a cicatriz das almas humilhadas,
o olhar para trás dos fugitivos.

O silêncio em que se debruçam
as marcas da nossa fome
e o seu desejo calado.

As suas assombrações,
o seu delírio, a febre
enlouquecida das sezões.

Tudo junto na memória
das coisas construídas
à margem do pensamento.

E sei que esta melodia,
estes sons desencontrados,
repetem o mesmo tema:

homem, lembra o teu nome,
não esqueças o teu nome
não te esqueças do teu nome.

Pois a lembrança se parte
quebrando-se nas muralhas
de ódio e de esquecimento. 

Escreve-se no teu rosto,
na palma de tuas mãos,
por toda a tua lembrança.

Por que não se nasce sem nome?
Não se morre sem ter nome?
É esta a vida do homem.


Postar um comentário